domingo, 29 de novembro de 2009

O Monte dos Vendavais de Emily Brontë


O Monte dos Vendavais é uma das grandes obras-primas da literatura inglesa. Único romance escrito por Emily Brontë, é a narrativa poderosa e tragicamente bela da paixão de Heathcliff e Catherine Earnshaw, de um amor tempestuoso e quase demoníaco que acabará por afectar as vidas de todos aqueles que os rodeiam como uma maldição. Adoptado em criança pelo patriarca da família Earnshaw, o senhor do Monte dos Vendavais, Heathcliff é ostracizado por Hindley, o filho legítimo, e levado a acreditar que Catherine, a irmã dele, não corresponde à intensidade dos seus sentimentos. Abandona assim o Monte dos Vendavais para regressar anos mais tarde disposto a levar a cabo a mais tenebrosa vingança. Magistral na construção da trama narrativa, na singularidade e força das personagens, na grandeza poética da sua visão, nodoso e agreste como a raiz da urze que cobre as charnecas de Yorkshire, O Monte dos Vendavais reveste-se da intemporalidade inerente à grande literatura.
A MINHA OPINIÃO:
Fenomenal!... Fui atropelada por uma torrente avassaladora de emoções ambíguas. Experimentei o amor e ódio que consumiu os protagonistas e fui sem dúvida alguma, arrebatada por este clássico intemporal. Tornou-se num dos meus livros favoritos. É uma estória amarga, possante e exigente. Trágica mas intensa.
A estória é contada por uma testemunha ocular, Ellen Dean (Nelly). Ela conta-a a Mr. Loockwood. E que estória esta! Começa com a adopção de Heathcliff pelo patriarca da família Earnshaw. Mr. Earnshaw irá demonstrar um afecto desmedido por este rapaz o que irá deixar o seu filho mais velho, Hindley, enciumado. Mas, Catherine (Cathy), a sua filha mais nova irá criar laços indomáveis e poderosos com Heathcliff. Uma amizade selvagem que mais tarde, se tornará num amor bravio e vingativo que consumirá tudo o que os rodeia. Quando o pai de Catherine e de Hindley morre, Heathcliff fica sem o seu protector. É rebaixado à condição de serviçal pelo novo suserano do Monte dos Vendavais, Hindley. Será espezinhado e crescerá como um pobre e miserável mendigo. Todavia, Heathcliff não abandona o Monte porque está acorrentado a Catherine por um sentimento demasiado forte e inquebrável. Até o dia em que Catherine deslumbrada pelo poder e pela elevada posição social, é egoísta e aceita o pedido de casamento de Edgar Linton. Essa atitude transtorna Heathcliff que desaparece. Regressa anos depois em busca de vingança. Mas será o ódio mais forte que o amor? A demanda de Heathcliff irá afectar não só Catherine, Edgar, Hindley mas também a segunda geração das famílias Linton e Earnshaw. Ele casará com Isabella Linton,irmã de Edgar, e com ela terá um filho que será uma peça de xadrez nas suas mãos. Um meio para atingir os seus fins. Não é uma estória feliz digo-vos desde já. Não é fácil de ler todavia, não me interpretem mal. A escrita de Emily Brontë é fluida e magistral. É a força dos sentimentos que alimentam a estória que o tornou díficil de ler para mim. Mas valeu a pena lê-lo! Foi uma experiência que jamais esquecerei!
EXCERTOS:
" Os meus grandes tormentos neste mundo têm sido os tormentos de Heathcliff, e eu observei e senti cada um deles desde o príncípio; o meu grande pensamento na vida é ele. Se tudo desaparecesse e ele permanecesse, eu continuaria a existir; e se tudo o mais permanecesse e ele fosse aniquilado, o universo transformar-se-ia num imenso desconhecido. (...) O meu amor por Linton é como a folhagem das florestas. O tempo há-de mudá-lo, tenho a perfeita consciência disso, como o Inverno muda as árvores. O meu amor por Heathcliff assemelha-se às rochas eternas que existem por baixo: uma fonte de pouco deleite viável visível, mas necessárias. Nelly, eu sou Heathcliff, ele está sempre na minha mente, não como um prazer para mim mesma, mas como o meu próprio ser. Por isso, não volte a falar da nossa separação. (...)"
" Porque me desprezaste? Porque traíste o teu próprio coração, Cathy? Não tenho uma palavra de conforto: tu mereces isto. Mataste-te a ti própria. Sim, podes beijar-me, e chorar e arrancar-me beijos e lágrimas. Eles desgraçam-te...eles amaldiçoam-te. Amavas-me. Sendo assim, tinhas o direito de me abandonar? Que direito, responde-me! Tinhas de sentir o insignificante capricho que sentiste por Linton? Como nem a miséria, nem a degradação, nem a morte, nem nada que Deus ou Satanás pudessem infligir nos teria conseguido separar, tu, por tua própria vontade, fizeste-o. Eu não despedacei o teu coração: tu é que o despedaçaste e ao fazê-lo despedaçaste o meu."
video

PS: Ainda bem que a editora Presença pegou neste clássico e o editou como deve de ser. As outras edições que encontrei, tinham a letra tão pequenina que só de olhar para ela, perdia o interesse. Só tem um pequeno senão, detectei dois erros ortográficos que devem ter escapado à atenção do revisor.

21 comentários:

  1. Passa no meu blogue...tenho um miminho para ti.

    Beijinhos!!!!!

    ResponderEliminar
  2. Ai...como eu quero este livro!! Então depois da tua crítica a começar logo com 'Fenomenal!!' :D !!!! Vamos ver se este Natal chega cá a casa.

    ResponderEliminar
  3. Eu não podia estar mais de acordo contigo! É brilhante este livro. É um clássico que deve estar na estante de qualquer pessoa. É um livro lindo, que nunca se esquece. Eu optei por não fazer um post e em vez disso publiquei um vídeo que acho que ilustra os sentimentos ao longo da leitura.
    Já agora, não te apeteceu ter uma velhinha como aquela, em casa a contar uma história dessas?
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Quero mt ler este livro há muito tempo! de 2010 não passa!

    bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
  5. Em relação à comparação entre George R. R. Martin e Tolkien:

    Não sei se já leste Tolkien, eu já; e a sensação que tive quando li é que os livros dele narram acontecimentos épicos, centram-se num grupo de heróis que empreende uma viagem... Tolkien, na minha opinião, centra-se nas lendas, na linguagem rebuscada, na aventura em si.

    George Martin afasta um pouco a Cãmera, isto é, aborda as coisas de um plano mais abrangente e pessoal ao mesmo tempo. Não existe apenas uma personagem principal, mas sim várias, sendo cada capítulo narrado por uma. Nem todas são boazinhas, nenhuma é perfeita... tal como Tolkien, criou um mundo com a sua própria cultura - e embora isto para muita gente possa ser controverso, prefiro George R. R. Martin três vezes a Tolkien. :P

    Boas leituras!

    ResponderEliminar
  6. "Fui atropelada por uma torrente avassaladora de emoções ambíguas" Gosto de livros assim... Que mexem com os seus sentimentos o 1º livro que eu li que fez isso foi "Olhai os Lírios do Campo" Provavelmente irei gostar deste ;)
    Beijooooooooooooooooos!

    ResponderEliminar
  7. Já li mais do que uma vez o Monte dos Vendavais e fico sempre com um sabor agridoce na boca... É uma grande obra, sem dúvida. Mas é também angustiante, inquietante, aflitivo. Penso que a grandiosidade do romance prende-se justamente com isso, o conseguir transmitir com tanta intensidade estas emoções.
    É realmente avassalador!

    ResponderEliminar
  8. Menina! sou apaixonada por esse livro, apaixonadaaa por Heathcliff!!
    Quero muito ler novamente, só vou esperar minha enorme pilha de livros diminuir um pouco :D
    Resenha está perfeita!
    ^^
    Beijinhos querida!

    ResponderEliminar
  9. Ai ai... assim realmente o orçamento «rebenta». Mas talvez durante o próximo mês requisite na biblioteca =) Também estou muito curiosa.

    BJS+

    ResponderEliminar
  10. os pais tem sempre razão jojo! Mas ao menos tens um nome fixe p/alcunha! O meu só dá p/ a gozação habitual "és vera ou bera?" o meu professor que dizia "vera fisher" (e por acaso o meu nome foi-me dado por causa da actriz em causa lol) ou o verinha (que tb é querido) a minha avó às vezes dizia verusca (mas só soava querido quando era ela que dizia!) e acredites ou não havia um no sitio onde antes morava havia uma cadela chamada vera lol

    bjs**

    p.s. a imagem de natal que enviaste é linda!

    ResponderEliminar
  11. Ler o Monte dos Vendavais é uma aventura extraordinária. É uma viagem alucinante ao interior do espírito humano e aos mecanismos que desencadeiam as paixões. No mundo da literatura, poucas vezes o confronto entre o amor e a vida foi tão dramaticamente abordado.

    Parabéns pelo blog que descobri hoje. Fantástico.

    ResponderEliminar
  12. Menina, estou LOUCAAAAAAAAAAAA!!! Agora não consigo parar de pensar em ler esse livro!

    Vou comprar AGORA!


    beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Oi amiga
    tem selinho pra vc no meu blog
    http://romancesparaviver.blogspot.com/
    bjux

    ResponderEliminar
  14. Tens um selo p/ ti no meu blog jinhos**

    ResponderEliminar
  15. Este é daqueles livros que ainda tenho de ler...
    Espero ficar tão arrebatada como tu. :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Ei Jojo,
    Adorei seu blog :)
    este livro é realmente maravilhoso, embora eu tenha ficado meio brava com tanta tragédia.
    Engraçado que nunca tinha visto ele com esta tradução em vez de "O morro dos ventos uivantes"
    bjo
    Nanda

    ResponderEliminar
  17. Fico muito feliz por teres gostado!!!
    Também é um dos meus livros favoritos, como já tinha dito ehehe =)

    Um beijinho*
    Boas leituras!,
    Estrela

    ResponderEliminar
  18. wow!! já tinha ouvido falar que ele é um dos clássicos a ser realmente lido mas tu realmente convenceste-me! se já estava na lista, agora está lá nos "urgentes"!!
    bjinhos

    ResponderEliminar
  19. Fiquei bastante curiosa quanto a este livro após ler a tua opinião. Este será com certeza um dos livros para 2010, porque por enquanto ainda tenho muitos muitos livros à espera.
    Boas leituras ;)

    ResponderEliminar
  20. Também comprei o da Presença, pois gostei imenso da capa!
    Será um dos livros a ler no próximo ano, sem dúvida! E depois vou aproveitar e ver também o filme. :)

    ResponderEliminar
  21. Quero imenso ler este livro =)

    Beijinho*

    ResponderEliminar