quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

O Recife de Nora Roberts



"A arqueóloga marinha, Tate Beaumont, é apaixonada pela caça ao tesouro. Ao longo da vida, ela e o pai descobriram muitas riquezas fabulosas, mas há um tesouro que nunca conseguiram encontrar: a Maldição de Angelique – um amuleto com pedras preciosas, obscurecido pela lenda e manchado de sangue. Para encontrarem este artefacto precioso, os Beaumonts aceitam, hesitantemente, uma parceria com os mergulhadores Buck e Matthew Lassiter. Tate não fica feliz por partilhar o seu sonho, mas não tem alternativa. E, à medida que os Beaumonts e os Lassiters disponibilizam recursos para localizar a Maldição de Angelique, as águas das Caraíbas adensam-se com desilusões sombrias e ameaças escondidas. A parceria entre as famílias é posta em causa quando Matthew se recusa a partilhar informação – incluindo a verdade sobre a morte misteriosa do seu pai, alguns anos antes. E conforme Tate e Matthew avançam com a sua desconfortável aliança… o perigo e o desejo ameaçam emergir."

A MINHA OPINIÃO:

Um livro de Nora Roberts é sinónimo de uma bonita história de amor. Mas este livro têm outras atracções, a arqueologia e o mar. Adoro arqueologia e o mar logo, ler este livro foi um deleite. A história não é propriamente original: rapaz ama rapariga, rapariga ama rapaz e entre eles, um vilão. Porém, é um livro agradável e chega a ser viciante. A rapariga é Tate e o rapaz é Mathew e ambos têm de lutar contra Van Dyke, o vilão. Todos cobiçam a Maldição de Angelique, um colar valiosíssimo que desapareceu num naufrágio. E é a Maldição de Angelique que torna o livro empolgante. A história do colar é fantástica e o que ele representa para cada um dos personagens conduzí-los-à à vitória ou à loucura. O destino desta jóia e dos protagonistas é traçado no paradisíaco Mar das Caraíbas o que constitui outro dos atractivos de O Recife. A sensação de liberdade que o mar transmitiu extravasou as páginas do livro. Apeteceu-me dar um mergulho naquele mar e ir à caça de navios naufragados, à descoberta da História.

Em suma, um bom livro sem grandes aspirações, uma boa leitura para descontrair... o que significa umas horas bem passadas.

4/7- BOM

PS: Nada como um livro para fugir à realidade!

Obrigada C., pelo empréstimo!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Obrigada...



Olá meus queridos! Quero agradecer todo o apoio que demonstraram. A minha zona já não está isolada. Já chegou ajuda à parte mais problemática. A minha casa está muito melhor do que pensávamos. Embora ainda tenhamos o risco de derrocada, é um risco muito pequeno.
Não me posso queixar, ainda tenho a minha casinha e toda a minha família está bem. Tivemos alguns sustos quando a água e a lama desceram da montanha mas, estamos todos bem fisicamente. Conseguimos fugir. Claro que ainda temos marcas, não conseguimos dormir sossegamente devido às imagens horripilantes e ainda não sabemos de alguns amigos. Há gente em pânico devido à chuva que ainda cai e ao vento fortíssimo.
De resto, a recuperação procede e a nossa linda ilha está a voltar lentamente ao normal.
Mais uma vez obrigada por todo o apoio!!!
Bjokas a todos!

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Madeira...

video

Olá meus queridos amigos! Infelizmente, as notícias não são boas. A minha querida terrinha foi assolada pela intempérie. A zona onde vivo parece um cenário de guerra, daqueles que só vemos na televisão, há muitos amigos desaparecidos, casas soterradas e em risco de cair e pior de tudo, estamos isolados, uma vez que as estradas estão intrasitáveis ou seja, as equipas de socorro têm dificuldade em chegar até nós. Não temos água potável. Uma autêntica tragédia!

Mas nós somos filhos de Portugal, um povo forte e corajoso, e é nestas alturas que vemos o quão grande a alma humana é. Ajudamo-nos uns aos outros!

Peço a todos os que podem ajudar que ajudem porque acreditem, isto não está nada fácil.

Bjokas a todos*

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Amante de Sonho de Sherrilyn Kenyon



Grace Alexander, uma bonita terapeuta sexual de Nova Orleães, julgava estar destinada a uma vida sem paixão. Até ao dia em que a amiga Selena a convence de que, por artes mágicas, poderá convocar um escravo de amor durante um mês. Certa de que a magia da amiga irá falhar, Grace deixa-se levar pela brincadeira. Mas...


"Caro leitor,

Estar preso num quarto com uma mulher é fabuloso. Estar preso em centenas de quartos ao longo de dois mil anos não o é de todo. E estar amaldiçoado como escravo de amor para a eternidade, arruína qualquer guerreiro espartano. Como escravo de amor, sei tudo sobre as mulheres. Como tocá-las, saboreá-las e, acima de tudo, como dar-lhes prazer. Mas quando fui convocado para satisfazer as fantasias de Grace, encontrei a primeira mulher na história que me viu como um homem com um passado atormentado. Só ela se preocupou em levar-me para fora do quarto e mostrar-me o mundo. Ensinou-me a amar de novo.


Mas eu não nasci para conhecer o amor. Fui amaldiçoado para caminhar sozinho pela eternidade. Como general, aceitara há muito a minha sentença. No entanto, agora encontrara Grace - a única coisa sem a qual o meu coração não consegue sobreviver. Poderá o seu amor curar as minhas feridas e quebrar uma maldição milenar?"

Julian da Macedónia

A MINHA OPINIÃO:

Um livro que lê num folêgo! Capaz de cortar a respiração à maior parte das mulheres! É sensual, erótico e muito bem-humorado. Tem paixão, amor, atracção, maldições e muitos muitos deuses... de carne e osso a passear por Nova Orleães. Sim, é uma história de amor comum a tantas outras com uma pequena diferença: o protagonista é filho de uma deusa grega e está amaldiçoado. Eu disse-vos que a diferença era pequena:P.

Julian da Macedónia, general, filho de Afrodite está condenado a uma vida de escravidão sexual. Está prisioneiro de um livro e só é libertado quando alguém o invoca. Durante um mês, Julian alimenta as fantasias sexuais das suas invocadoras findo o qual volta para as páginas do livro...para a solidão. Durante milénios, Julian é confrontado por inúmeras mulheres mas, nenhuma delas é Grace. Então não é que a mulher com um deus grego (literalmente) à frente, diz não! Intrigado, Julian começa por desenvolver afeição por esta mulher que mais tarde, se torna em amor. Um amor muito maior que o prazer carnal. E Grace deixa-se arrebatar. Aqui está típica história de amor. O problema é que ele está amaldiçoado e a família dele mora no Olimpo. E o Olimpo está cheio de invejas, favores e traições! Resultado?... Uma leitura compulsiva apimentada com Cupidos a andarem de moto e outros deuses da Antiguidade a deambularem pelas ruas de uma cidade do século XXI.

É incrível como Kenyon consegue misturar todos estes ingredientes. Uma leitura leve e agradável onde tudo acontece depressa demais. Mas vendo bem as coisas, estamos a falar de divindades gregas. Tudo tem um timing e este livro para ser verdadeiramente apreciado tem de ser lido na altura certa.

4/7 -BOM

PS:Se alguém encontrar um livro com um homem divinal na capa, é meu!!!:P

Obrigada C., pelo empréstimo!

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

A Pedra Abençoada de Barbara Wood



«A Pedra Abençoada nasceu para lá das estrelas, há inúmeros anos-luz. Teve origem numa explosão cataclísmica de proporções estelares que inundou o espaço de fragmentos cósmicos. Tal como um navio brilhante, o pedaço ardente de massa celeste navegou através do mar sideral, rugindo e sibilando pela noite escura, enquanto se lançava para a sua destruição inevitável num planeta jovem e selvagem.»
Muitos séculos depois, Alta encontra o fragmento na planície africana. O seu destino mudará para sempre, tal como o destino das gerações futuras. De Israel dos tempos bíblicos à Roma Imperial, da Inglaterra Medieval à Alemanha do século XV, das Caraíbas do século XVIII ao Faroeste, a história desta pedra abençoada e a dos seus diferentes donos percorre a História da Humanidade.
Através de diversos episódios e eras, a autora explora as traições e as obsessões do coração do homem e descreve uma busca pela essência humana. »

A MINHA OPINIÃO:

Pedra Abençoada é um livro composto por oito "livros".Oito histórias que daria outros livros se a autora os aprofundasse mais. Mas, todas têm algo que as une. A pedra azul. Passa de proprietário em proprietário e para cada um representa a fé, a esperança, o amor, a consciência, a sedução, a inteligência, o conforto... A habilidade com que Barbara Wood interliga os vários momentos da História da Humanidade é notável. Iniciei a minha viagem na Pré-História e terminei-a no século XXI. A pedra presencia acontecimentos marcantes na história do Homem como a criação da primeira aldeia sedentária ou o nascimento de uma nova religião. No fundo, o livro retrata a descoberta do Homem, a sua descoberta. É uma obra peculiar na medida em que todos os personagens vêem a pedra como um símbolo de mudança mas, na realidade quem está em metamorfose são eles e o mundo que os rodeia.

É uma proeza, o livro conseguir abranger tantos períodos significativos desta grande História. Existem algumas personagens mais apelativas que outras porém, a leitura nunca se tornou fatigante pelo contrário, foi muito deliciosa. Também acho que é complicado tecer uma opinião sobre este livro.É melhor vivenciá-lo!

4/7- BOM

PS: Obrigado Segredo dos Livros!

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Classificação...

A partir da agora, os livros apresentados nos meus Devaneios vão ter uma classificação. Custa-me esterotipá-los mas, ao ler algumas das minhas opiniões dei-me de conta de que existe alguma ambiguidade o que torna díficil distinguir aqueles que foram muito bons, dos bons ou obra-primas. Assim, decidi criar a seguinte classificação:
0-Desisti
1-Péssimo
2-Mau
3-Razoável
4-Bom
5-Muito Bom
6- Excelente
7-Obra-prima
PS: Peço desculpa a todos os que me atribuíram selinhos por ainda não os ter publicado porém, ainda não tive tempo de os "apanhar".

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Quero-te muito! de Federico Moccia



"Step regressa de Nova Iorque, cidade onde se auto-exilou para se afastar da sua ex-namorada Babi, da memória da morte trágica de um amigo e da mãe com quem tem um relacionamento conflituoso. Ao chegar a Roma, vai morar com o irmão, reecontra os amigos e, com a ajuda do pai, começa a trabalhar no mundo do espectáculo. Entretanto, Step conhece Gin, uma rapariga bonita e decidida, com quem inicia uma linda história de amor. Mas Babi volta a entrar na sua vida e na cabeça de Step despertam velhos sentimentos e dúvidas: Babi ou Gin... Diante da casa de qual delas irá Step escrever finalmente «QUERO-TE MUITO»?

A MINHA OPINIÃO:

Quero-te muito! foi uma leitura atribulada. Quando o comecei, achei o texto muito staccato, parecia que os diálogos caíam do céu, sem contexto e sem emoção. Mas, depois lembrei-me que este livro é a continuação de Três metros acima do céu que eu não tinha lido e talvez por isso, o protagonista não me cativava. Outro factor que contribuiu para este desinteresse foi vida fatigante de uma estudante em época de exames. Quando pegava no livro estava tão cansada que só lia umas míseras páginas de cada vez. Contudo, essa sensação de desconforto dissipou-se quando entrou em cena, Ginevra ou Gin. Ela e Step vivem um amor que acelera porém, nunca se depista. Entre picardias, beijos roubados,combates de boxe e momentos de paixão, Step e Gin conduziram-me a uma bonita e imprevisível história de amor. Comecei a adorar o livro, deixei-me enredar pela escrita de Moccia. Essa escrita que, ao princípio, era entediante tornou-se veloz como a moto de Step. Uma mescla de linguagem crua com laivos puros de belíssima poesia... Tornou o livro tão visual que fui assolada por uma vontade incontrolável de viajar e conhecer Itália.Além do amor dos protagonistas, o escritor aborda a traição, o uso inconsequente das drogas e a relação pais-filhos.

EXCERTO:

"(...) para o céu, para cima, mais acima, para lá...Ali, precisamente onde não tínhamos estado.Quantas vezes nadei naquele mar nocturno, perdido naquele céu azul-escuro, levado pelos vapores do álcool e da esperança de a encontrar de novo. Para cima e para baixo, sem descanso. Ao longo de Hidra, Perseu, Andrómaca...E para baixo até à Cassiopeia. Primeira estrela à direita, e depois a direito, até aurora.E ainda para lá. E a todas perguntava: " Viram-na? Por favor...Perdi a minha estrela. A minha ilha não existe. Onde estará agora? O que estará a fazer? Com quem? E à minha volta o silêncio daquelas estrelas embaraçadas. O ruído incomodativo das minhas lágrimas sem fim. E eu, estúpido, que procurava e tinha a esperança de encontrar uma resposta. Dêem-me um porquê, um simples porquê, um porquê qualquer. Mas que palerma. Toda a gente sabe. Quando um amor acaba, pode encontrar-se tudo menos um porquê."

TRAILER :

video

PS: Obrigada Segredo dos Livros!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Um Amor em Tempos de Guerra de Júlio Magalhães



“António nasceu marcado pelo nome. O mesmo que o vizinho da rua das traseiras, o homem que se fez doutor em Coimbra e que ia à terra sempre que podia, o tal que governava o país com pulso de ferro. Mas de pouco ou nada lhe valeu tão grande nome quando o destino o enviou para Angola, para defender a pátria em nome de uma guerra distante que não era a sua.
Deixou para trás a sua terra, a mãe inconsolável e Amélia, a mulher que pedira em casamento, num banco de pedra, junto à igreja e que prometera fazer dele o homem mais feliz de Vimieiro. Promessa gravada num enxoval imaculado que ficou guardado no armário, à espera do fim daquela maldita guerra.
Quando António regressou de Angola, era um homem diferente. Marcado no corpo por anos de guerra e de cativeiro e no coração por um amor impossível que deixara em pleno mato angolano. Regressava para cumprir a promessa que fizera anos antes à sua noiva Amélia, que o julgara morto, e que, em sua memória, tinha enterrado um caixão sem corpo.”

A MINHA OPINIÃO:

Mais uma boa surpresa!... Li este livro numa tarde. Magalhães tem uma escrita simples e acessível e a história é muito cativante. António e Amélia sonham em casar e ser felizes mas, o sonho é desfeito pela Guerra Colonial. Ele parte para Angola e quando regressa já não é o mesmo. A guerra transforma as pessoas, aqueles que partem e aqueles que ficam... A mãe do soldado que vive na incerteza do regresso são do seu filho, a noiva que vive numa eterna saudade e o soldado que parte para uma terra distante para combater numa guerra que não é sua...

Para mim, foi uma leitura muito interessante. Tenho pai e tios que arriscaram as suas vidas além-mar logo, foi um livro que me tocou.

PS: Obrigada Segredo dos Livros!


sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

As Filhas do Graal de Elizabeth Chadwick


França, século XIII: Bridget cresceu aprendendo a controlar os dons místicos da sua antepassada Maria Madalena, cuja ininterrupta linhagem feminina manteve vivo um legado de sabedoria durante milénios. Mas agora, a todo-poderosa Igreja Católica jurou destruir Bridget por usar os seus talentos curativos e as suas habilidades naturais. O dever de Bridget de continuar a linhagem leva-a até aos braços de Raoul de Montvallant, um católico. E quando a intolerância selvagem da Igreja leva Raoul a rebelar-se, a intolerância cresce para uma ânsia de vingança que só poderá ser saciada com uma cruzada de sangue.

A MINHA OPINIÃO:

Este livro revelou-se uma surpresa... Estava à espera de uma história de amor que sobrevive a tudo e todos no meio de um mundo em ebulição. Mas não foi bem isso que encontrei... Encontrei um bom romance histórico que mergulha num período conturbado e negro da História da Humanidade, a perseguição aos Cátaros. Retrata o que o Homem é capaz de fazer em nome de uma religião?! Essa religião que foi deturpada para servir os interesses mundanos e cujos valores se dissiparam em ondas de violência e fanatismo. É nesta época que conhecemos Bridget, descendente de Maria Madalena. É uma mulher dotada de poderes curativos que se vai cruzar com Raoul de Montavallant.Uma noite de paixão entre estas duas personagens gerará Magda. Magda apaixonar-se-à por Dominic. Dominic é fruto da violação que Simon Monfort, arqui-inimigo de Montavallant, impingiu a Claire, mulher de Raoul. Por entre as fogueiras, perseguições, torturas, Madga e Dominic vivem o seu amor. Ele, filho do maior perseguidor dos cátaros e ela, herdeira de Maria Madalena contrariam as regras e resistem à intolerância religiosa.

Gostei deste livro e aprendi imenso com ele. Não é uma obra-prima contudo, é uma boa companhia e ilustra um período da História que eu desconhecia.

Devaneios desactualizados...muito desactualizados!




Depois de uma semana em que fui atacada por folhas, livros, PDF(s), fotocópias e slides de aulas, resolvi vir cá actualizar os meus Devaneios. Para quem não sabe, estou em plena época de exames o que significa muitas horas de estudo e poucas horas de sono sendo que uma boa percentagem delas é em cima dos livros ou do computador que virou a minha almofada.
Depois de dois exames, resolvi fazer gazeta e acabar os livros que estava a ler. Só assim consegui manter a sanidade e sobreviver a tanto bicharoco,doença, fármaco, anticorpos, antigénios enfim, uma imensidão de animaizinhos e efermeridades que nem sabia que existiam.
Assim, acabei de ler o Quero-te Muito, As Filhas do Graal e li Um Amor em Tempos de Guerra de Júlio Magalhães...

PS: Amigos e amigas, rezem a todos os santinhos, santinhas e anjinhos ou simplesmente façam figas para que eu passe os exames.Obrigada pelas vossas preces!:P
Para aqueles que também estão ou vão passar por esta fase, desejo-vos toda a sorte do mundo e como que se diz na Guerra das Estrelas: may the Force be with you.;P
Bjokas a todos!!!!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

As pequenas palavras...



De todas as palavras escolhi água,
porque lágrima, chuva, porque mar
porque saliva, bátega, nascente
porque rio, porque sede, porque fonte.
De todas as palavras escolhi dar.

De todas as palavras escolhi flor
porque terra, papoila, cor, semente
porque rosa, recado, porque pele
porque pétala, pólen, porque vento.
De todas as palavras escolhi mel.

De todas as palavras escolhi voz
porque cantiga, riso, porque amor
porque partilha, boca, porque nós
porque segredo, água, mel e flor.

E porque poesia e porque adeus
de todas as palavras escolhi dor.

Rosa Lobato de Faria