quinta-feira, 29 de abril de 2010

Jardim dos Segredos de Kate Morton


Em 1913 uma criança é encontrada só, num barco que se dirigia à Austrália, com apenas uma malinha branca contendo um livro de obscuros contos infantis. Uma mulher misteriosa prometera tomar conta dela, mas desapareceu sem deixar rasto.
Um século depois, acompanhamos Cassandra na sua tentativa de resolver o mistério de uma pequena criança perdida. Um dos instrumentos que favorecem essa procura é um livro de obscuros contos infantis do início do séc. XX, três dos quais, de uma prosa belíssima, aparecem ao longo do próprio texto. Aparentemente, a autora destas histórias, Eliza Makepeace, será a chave para Cassandra finalmente recuperar a verdade sobre a origem da sua família.

A MINHA OPINIÃO:

Jardim dos Segredos é um livro belíssimo! Kate Morton é exímia a contar a história de três mulheres separadas pelo oceano, pelo espaço e pelo tempo. Interligar a vida de Eliza, Nell e Cassandra poderia revelar-se num desastre mas, a escritora é brilhante e encadeia os acontecimentos de forma harmoniosa criando uma ligação irresistível com o leitor. Ao longo das suas quase 500 páginas eu, leitora ávida, fui juntando as peças deste magnífico puzzle. Puzzle que corresponde ao enigma que paira sobre as páginas do livro: a origem de Nell. Nell era uma menina de quatro anos quando foi encontrada num porto da Austrália sozinha e com uma pequena mala. Adoptada por Lil e Hugh, ela cresce desconhecendo o seu passado. Anos depois, Cassandra, a sua neta, herda uma casa na Inglaterra e uma mala branca com um livro de contos de fadas no seu interior. Sem saber, Cass irá ao encontro do mistério da pequena criança abandonada num navio a caminho da Austrália. O livro de contos de fadas é da autoria de Eliza Makepeace. Eliza, a mulher indomável, que desafiou os parâmetros da sociedade vitoriana com sua rebeldia. Das três mulheres, Eliza foi a que mais me cativou. Desde o princípio, ela exerceu um magnetismo inelutável o que me obrigou a virar as páginas desenfreadamente. Contudo, esta obrigatoriedade é pura delícia!...No livro, também encontrei os contos de fadas de Eliza que me fez revisitar a infância em que me perdia em bosques encantados habitados pelas fadas e pela beleza do sonho. Apesar deste vislumbre enfeitiçante que as histórias de Eliza incutem, por entre as suas linhas algo se esconde. A matéria prima que molda o ser humano. As suas ilusões, paixões, ambições e as suas desilusões. É um livro fascinante com histórias maravilhosas notavelmente conectadas resolvendo o mistério da origem de Nell.

6/7- EXCELENTE

terça-feira, 27 de abril de 2010

Devaneios Cinematográficos- Confronto de Titãs



A MINHA OPINIÃO:

O Verão aproxima-se e com ele chegam os blockbusters. Confronto de Titãs é uma metragem destinada ao puro entretenimento. Acção, aventura e efeitos visuais estão presentes para cativar o espectador e para que ele embargue com o protagonista, Perseus, numa missão: salvar Argos da fúria dos deuses do Olimpo. Para quem conhece a mitologia grega é interessante ver como os deuses se materilizam em reflexos humanos. Sendo divindades também têm as suas fraquezas e ambições. Zeus é um pai que ama os filhos mas que se sente ofendido por eles e Hades é um ser que trabalha na penumbra por caminhos obscuros e duvidosos. Irmãos, deuses, aliados e rivais. Uma relação estranha porém, cativante. Depois há um semideus, Perseus, o herói que procura a salvação da cidade de Argos. Perseus trava uma batalha interior: o humano versus o deus que há nele.
Apesar da dinâmica vertiginosa e ritmo alucinante, o filme apresenta algumas falhas. A tridimensionalidade tão publicitada é quase nula. Apenas o prólogo é satisfatório a demonstrar a profundidade do universo. Dá-se uma primazia excessiva à acção. Sim, é verdade que é um filme de acção mas seria bom ver um pouco mais de emoção nas interpretações dos actores. O elenco é praticamente ofuscado por Liam Neeson e Ralph Fiennes como Zeus e Hades, respectivamente. Hades é das personagens mais conseguidas... A sua entrada em cada cena é espectacular ( efeito visual fantástico) e sempre que ele aparece traz uma bagagem composta por ameaça, medo e poder negro. Um bom filme para descontrair...
3/7- RAZOÁVEL


video

quinta-feira, 22 de abril de 2010

O Segredo do Alquimista de Scott Mariani



«Ben Hope é um soldado de elite com um passado trágico que se dedica a resgatar crianças raptadas. Tudo começa quando Ben é contratado para descobrir um manuscrito que pode salvar uma criança moribunda. Trata-se de um documento que contém a fórmula da imortalidade, criada pelo eminente alquimista Fulcanelli, pseudónimo da personagem real, famoso autor de dois tratados de alquimia e cuja verdadeira identidade permanece obscura. Outras figuras históricas, como o famoso arquitecto Le Corbusier ou o temível Rudolf Hesse fazem parte desta história…e nem sempre com boas intenções. Ben Hope rapidamente percebe que a fórmula secreta que procura é cobiçada por muitos. À medida que a sua pesquisa avança, vê-se enredado no tenebroso passado nazi e nos propósitos obscuros de uma secreta irmandade moderna, a Glaudius Nomini. Ben Hope envolve-se numa perigosa aventura que vai de Paris ao Langedoc, último reduto dos Cátaros, onde o segredo está escondido há séculos»

A MINHA OPINIÃO:

O Segredo do Alquimista é um livro que se lê vorazmente. As personagens e a história estão bem delineadas e as reviravoltas que o autor imprime à sua obra tornam este triller numa leitura empolgante. A fórmula literária: tesouro inimaginável mais aventura, acção, redenção e romance revela-se frutífera. Apesar de ser uma fórmula recorrente dos livros actualmente, o autor conseguiu prender-me as páginas. Pela sinopse, deduzi que este seria uma obra semelhante às de Dan Brown. Enganei-me parcialmente. Sim, existe um enigma a decifrar e um tesouro neste caso, um manuscrito alquímico e outros em busca do mesmo pelo seu poder. Mas o protagonista é diferente. Não é um professor, um aventureiro ou um herói. É um ex-membro das Forças Especiais Britânicas que procura crianças desaparecidas almejando redenção. Chama-se Ben Hope. O seu nome é espelho da sua vida. Ele dá esperança aos pais que já a perderam porém, não a consegue reter para si. Por isso, vive em busca daqueles que desapareceram para poder sentir aquele momento fugidio de felicidade e redenção. O seu trabalho leva-o a conhecer Fairfax que o contrata não para procurar uma criança desaparecida mas, para encontrar a cura para a sua neta moribunda. O elixir da longa vida, o Santo Graal da alquimia. Este estava na posse de um alquimista cujo paradeiro é incerto. Na sua investigação,Hope conhecerá Ryder, uma cientista renegada. Os dois serão alvos da Gladius Domini, uma organização sedenta de imortalidade e poder. Repleta de acção e de referências a períodos conturbados da História, é uma leitura simples, compulsiva e instantânea.

4/7- BOM

Eu consigo que você emagreça de Paul McKenna



Quem é que não gostaria de comer tudo aquilo que lhe apetece e ainda assim perder peso? A verdade é que com o programa revolucionário de Paul McKenna isso é possível e nunca temos de nos preocupar com a balança. A regra de ouro número 1 de Paul McKenna é simples: se tem fome, coma. Porque no momento exacto em que contrariamos o impulso natural para comer, começamos a acumular gordura. Como o corpo não sabe quando será a próxima refeição, entra no "modo de sobrevivência" e automaticamente dá início ao armazenamento de reservas. É por isso que as dietas não funcionam. Daí que o primeiro passo do programa de Paul McKenna seja justamente acabar com as obsessões. Não podemos sentir fome, nunca. E, nesse sentido, temos de reprogramar a mente. E, sem dar por isso, começará a perder peso, vai recuperar o prazer de entrar num restaurante sem pensar em calorias - e aos poucos vai sentir-se novamente feliz com a sua imagem no espelho. «Perdi peso de forma permanente e restabeleci uma relação saudável com a comida. Sinceramente, não acredito em dietas. Mas acredito no método do Paul McKenna!» (Kirsty Young, apresentadora da BBC)

A MINHA OPINIÃO:

Estes livros de auto-ajuda nunca foram a minha leitura favorita. Mas este despertou-me atenção porque a fama de Paul McKenna corre célebre pelos meios de comunicação. Além disso, apostei em seguir alguns conselhos deste autor e verificar os resultados. Segui algumas dicas e resultaram. O que não deixa de ser surpreendente uma vez que o que McKenna oferece como resolução para o excesso de peso é totalmente contraditório aquilo que a maioria pensa. Um conceito inovador é de que devemos comer aquilo que queremos sempre que queremos dentro do razoável. A novidade está no COMO comemos. Devemos comer em "consciência", ou seja, mastigar calmamente para dar tempo ao cérebro para saborear e se aperceber que estamos a comer.Ter mais prazer a comer. Não são permitidas distracções na hora da refeição como ver televisão ou ler ( culpada!). O cérebro tem de estar consciente da ingestão de alimentos. Esta nova consciência permite que o nosso corpo deixe de estar obcecado por comida. Esta é a ideia principal do livro todavia, existem outras dicas utéis para combater os nossos ímpetos alimentícios. Gostei de o ler e foi uma surpresa constatar alguns resultados.

4/7- BOM

PS: Obrigada Segredo dos Livros!

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Actualização dos Devaneios...















Olá meus queridos!!! Confusos com as imagens? Não fiquem. São mais um devaneio meu! Estas flores são algumas das que brilharam na Festa da Flor aqui no Funchal. O renascimento de uma ilha que foi fustigada pela intempérie mas que não desistiu e foi à luta. Muitos turistas estavam pasmados com a capacidade de recuperação insular. Eu porém, não me abismei com esta resposta. Afinal, somos descendentes de Viriato, portadores orgulhosos do sangue português!
Relativamente, as minhas leituras... estou a demorar mais do que gostaria a ler O Doente Inglês. O livro não tem culpa nenhuma, é brilhante! Todavia, a sua leitura é morosa. Direi a todos que sinto muito aquelas palavras. Não tenho andado muito bem e ler o livro "custa-me"! Já vos aconteceu? Ideias para ultrapassar este entrave, têm? Eu agradecia. Até porque com os outros livros menos complexos não tenho tido problemas. Estou quase a acabar o Segredo do Alquimista e conto publicar a minha opinião em breve.
Tenho outro desabafo a fazer... porque é que não encontro mais livros de autores portugueses contemporrâneos nas livrarias? Depois de ler as entrevistas e publicações que a minha amiga Morrighan fez no seu blog... procurei, às vezes, em vão alguns dos títulos nas livrarias. E quando os encontrava estavam num cantinho obscuro!
A propósito, Morrighan estás a fazer uma excelente divulgação da literatura portuguesa. Muitos parabéns!!!
Bjokas a todos e uma boa semana!:)
.
Jojo

domingo, 4 de abril de 2010

Nómada de Stephenie Meyer



"Melanie Stryder recusa-se a desaparecer. O nosso Mundo foi invadido por um inimigo invisível. Os Humanos estão a ser transformados em hospedeiros destes invasores, com as suas mentes expurgadas, enquanto o corpo permanece igual e a vida prossegue sem qualquer mudança aparente. A maior parte da Humanidade não consegue resistir. Quando Melanie, um dos poucos Humanos "indomáveis", é capturada, ela tem a certeza de que chegou o fim. Nómada, a Alma invasora a quem o corpo de Melanie é entregue, foi avisada sobre o desafio de viver no interior de um humano: emoções avassaladoras, excesso de sentidos, recordações demasiado presentes. Mas existe uma dificuldade com que Nómada não conta: o anterior dono do corpo combate a posse da sua mente. Nómada esquadrinha os pensamentos de Melanie, na esperança de descobrir o paradeiro da resistência humana. Melanie inunda-lhe a mente com visões do homem por quem está apaixonada – Jared, um sobrevivente humano que vive na clandestinidade. Incapaz de se libertar dos desejos do seu corpo, Nómada começa a sentir-se atraída pelo homem que tem por missão delatar. No momento em que um inimigo comum transforma Nómada e Melanie em aliadas involuntárias, as duas lançam-se numa busca perigosa e desconhecida do homem que amam."

A MINHA OPINIÃO:

Nómada é o melhor livro que já li de Stephenie Meyer. Comparando esta obra com os livros da Saga Luz e Escuridão, notei com agrado um amadurecimento da escrita de Meyer. A premissa que dá origem à história é muito original e é um indício da excelente imaginação da autora. A Terra foi invadida por seres alienígenas, as Almas, que uma vez colocadas no corpo humano, apoderam-se das suas memórias e da sua consciência. Melanie Stryder pertence aos rebeldes que recusam o poderio extraterrestre. Porém, é capturada e dentro dela é colocada Nómada. Mas, Melanie não desiste da sua liberdade e confronta a alienígena pela soberania da sua mente. Nómada sucumbe aos apelos da humana e parte em busca de Jared,o homem que Melanie ama e Jamie, o irmão mais novo dela. Todavia, o reencontro não será pacífico. Afinal de contas, para todos, Melanie está morta e aquele corpo não é mais que a habitação de um ser estranho pertencente a uma espécie que colonizou a Terra sem respeitar o livre arbítrio. A história das duas amigas inesperadas que vivem num só corpo complica-se ainda mais com a presença de Ian. Um humano que desperta em Nómada sentimentos que ela jamais sentira. Não obstante, o corpo continua a ser de Melanie e ela está apaixonada por Jared. Confusos? Eu também ficaria. Quando li a sinopse fiquei na expectativa e pensei que me ia perder nos meadros de tantas relações fraternais, humanas, amorosas, simbióticas mas não... Stephenie Meyer, à semelhança dos livros anteriores, tem uma escrita fluida e simples. O ritmo também é alucinante, os acontecimentos sucedem-se e (quase) não existem momentos mortos. Tem mais acção que os livros da Saga Luz e Escuridão, esta predomina as páginas do livro e impede que autora caia no romantismo obsessivo e excessivo. Apesar de ser grande, é uma leitura rápida e viciante para quem aprecia ficção científica.

5/7-MUITO BOM

TRAILER DO LIVRO:

video

Boas Páscoas a todos!!!

Para todos...Uma Páscoa Feliz!!!!