domingo, 23 de janeiro de 2011

A Rainha dos Malditos II de Anne Rice



Após ter despertado Akasha, a mãe de todos os vampiros, do seu sono de seis mil anos, Lestat ignora que corre perigo e que, num concerto em São Francisco, há entre os fãs centenas de vampiros dispostos a destruí-lo por ele ter revelado a condição dos seus semelhantes.
Um misterioso sonho é partilhado por um grupo de homens e vampiros. Quando todos se aproximam, o sonho torna-se mais claro e tudo aponta para uma tragédia indescritível.

Este é o segundo volume d’ A Rainha dos Malditos, a continuação de Entrevista com o Vampiro e d’ O Vampiro Lestat.


A MINHA OPINIÃO:

A Rainha dos Malditos reergueu-se mais uma vez! Depois de uma primeira parte algo morna, eis que este volume vem repor a acção que faltou ao primeiro volume dando brilhantismo a esta obra de Anne Rice. Às vezes, repartir uma obra original em dois pode retirar prazer à leitura e, para mim, este foi um destes casos. Neste livro, seguimos Lestat, depois dos acontecimentos da obra anterior. É levado por Akasha, mãe de todos vampiros, como seu rei consorte. Ela ama-o e, vê-o como parte integrante do seu plano ambicioso e diabólico de ascender ao estatuto de divindade única para humanos e vampiros. Contudo, a rainha terá uma forte oposição dos seus próprios descendentes. A verdadeira origem dos vampiros é contada e a lenda das gêmeas, Maharet e Mekare, que tinha sido apenas referenciada no primeiro volume, é-nos contada. Uma história fantástica e soberbamente embalada pela arte de Anne Rice. Aqui nesta obra, desaguam todos os caminhos delineados nas primeiras páginas. A subtileza, a crueldade, a complexidade, a sensualidade das personagens são viciantes. Anne Rice traz uma mística especial a estes vampiros, que não se esquece, pelo contrário, aumenta o nosso desejo por novas aventuras. Um livro delicioso que irá deleitar os amantes do mundo "vampiresco". Aliás, toda a saga é recomendada... simplesmente brilhante!

6/7- EXCELENTE

PS: Obrigada Segredo dos Livros!

sábado, 15 de janeiro de 2011

O Despertar da Magia ( Crónicas de Gelo e Fogo IV) de George R.R Martin


Quarto volume de As Crónicas de Gelo e Fogo, a saga de fantasia mais vendida, elogiada e premiada dos últimos 50 anos, e a única obra de fantasia a conseguir o primeiro lugar do Top do New York Times.
Esta é uma saga de grande fôlego, que vai buscar à realidade medieval a textura e o pormenor que conferem dimensão e crueza a um universo de fantasia tão bem construído que faz empalidecer a Terra Média de Tolkien. Martin é um especialista na manipulação
das expectativas dos leitores e, profundo conhecedor do género, não deixa de estender sucessivas armadilhas com as quais desarma os tropos que o leitor pensa reconhecer a cada página. O épico de fantasia que toda a Fantasia Épica gostava de ser.


A MINHA OPINIÃO:
O Despertar da Magia é a segunda parte do volume original Clash of Kings. Se A Fúria dos Reis, a primeira parte, foi brilhante, esta foi absolutamente e inacreditavelmente melhor! A guerra entre reis continua... e todos são peões e mestres neste jogo de poder. Porém, a magia chegou... Adormecida, ela despertou e irá apanhar os mais incautos de surpresa!Neste volume, houve mais: luta, sangue, premonição, vida, morte, traição, argúcia e sobretudo, mais das fenomenais personagens de GRRM! Foi um folhear de páginas frenético, queria mais e mais e embrenhei-me tanto na história que quase conseguia ouvir os gritos da guerra! Susti a respiração, o meu coração acelerou e fiquei intrigada. Em suma, fiquei à mercê da genialidade de Martin, mas também da sua crueldade e ousadia. Ninguém trata as personagens como George Martin! Nunca sabemos o que esperar ou que encontrar na página seguinte! Existem personagens que amamos e outras que amamos odiar e isto, sem nunca, nunca perder o interesse pois, de um momento para momento, elas mudam e ficamos boquiabertos com as suas atitudes! Continuo a adorar os Stark especialmente, Arya e Bran. Neste livro, Arya vê-se confrontada com decisões difíceis e Bran com a realidade de sonhos que ele julgava impossível. Sansa Stark está também a revelar-se e mal posso esperar, para saber o que o autor lhe reserva no futuro. Tyrion Lannister é bem, Tyrion Lannister! Com seu charme, inteligência, ele cativa o leitor e, apesar de, algumas decisões de moralidade dúbia, não consigo deixar de gostar dele. Sandor Clegane é daqueles personagens que me fascinam e, embora não tenha tido ainda um capítulo dedicado a ele, espero que isso aconteça em breve. E para lá da Muralha está Jon Snow, que cada vez me intriga mais com o seu misterioso nascimento e a sua luta para deixar a sua marca no mundo! Danaerys e a sua estadia na Casa dos Imorredouros foram dos capítulos mais misteriosos mas, ao mesmo tempo, mais reveladores, isto, assumindo que as conclusões que tirei sobre a profecia do princípe prometido são as correctas. Provavelmente, não... conhecendo George R.R Martin como conheço, ele vai tirar alguma da manga e fazer com que o meu queixo caia mais uma vez! Podia escrever um texto interminável com tudo o que adoro nas Crónicas, particularmente, neste livro. Teria só elogios e um rol quase infinito de personagens marcantes cada um à sua maneira! Esta saga está mais que aconselhada para amantes do fantástico ou, simplesmente, para amantes de excelentes histórias imbuídas numa vasta e magistral história!
7/7- OBRA PRIMA
MAIS UM TRAILER DA SÉRIE TELEVISIVA:

video
PS: A sinopse que encontrei para este livro diz o mundo criado por GRRM faz empalidecer a Terra Média. Não sei se concordo muito com essa afirmação! A Terra Média de Tolkien terá sempre um lugar muito especial no meu coração ;)... mas Westeros também. Não me obriguem a escolher entre eles!:p

Desafios para 2011...


Este post vem com alguns dias de atraso! Infelizmente, não tenho tido tempo para me dedicar devidamente aos Devaneios, pelo que, estes têm sido um pouco negligenciados... Mas, este novo post vem colocar as "contas em dia"! Este ano de 2011, resolvi aceitar o repto da Patrícia e da Elphaba e tentar ler 75 livros! Sim, o número elevado de livros não significa qualidade de leitura porém, se for cuidadosa e minuciosa na escolha, garanto quase de certeza, uma experiência fantástica ou, pelo menos, boa. Além deste desafio, vou tentar cumprir as seguintes resoluções:

1. Ler, pelo menos, 4 clássicos. Entre eles, vai figurar Pinóquio de Carlo Colodi ( edição de luxo) que está na estante.

2. Ler, pelo menos 3 nobéis da literatura.

3. Ler autores lusos, oriundos dos PALOP ou do Brasil

sábado, 8 de janeiro de 2011

A Fúria de Reis (Crónicas de Gelo e Fogo III) de George R.R. Martin



Esta sinopse contém spoilers para quem ainda não leu os anteriores da saga. Quem não desejar spoilers, deve avançar para a opinião!!!
Quando um cometa vermelho surge nos céus de Westeros encontra os Sete Reinos em plena guerra civil. Os combates estendem-se pelas terras fluviais e os grandes exércitos dos Stark e dos Lannister preparam-se para o derradeiro embate.
No seu domínio insular, Stannis, irmão do falecido Rei Robert, luta por construir um exército que suporte a sua reivindicação ao trono e alia-se a uma misteriosa religião vinda do oriente. Mas não é o único, pois o seu irmão mais novo também se proclama rei, suportado por uma hoste que reúne quase todas as forças do sul. Para pior as coisas, nas Ilhas de Ferro, os Greyjoy planeiam a vingança contra aqueles que os humilharam dez anos atrás.
O Trono de Ferro é ocupado pelo caprichoso filho de Robert, Joffrey, mas quem de facto governa é a sua cruel e maquiavélica mãe. Com a afluência de refugiados e um fornecimento insuficiente de mantimentos, a cidade transformou-se num lugar perigoso, e a Corte aguarda com medo o momento em que os dois irmãos do falecido rei avancem contra ela. Mas quando finalmente o fazem, não é contra a cidade que investem...
O que os Sete Reinos não sabem é que nada disto se compara ao derradeiro perigo que se avizinha: no distante Leste, os dragões crescem em poder, e não faltará muito para que cheguem com fogo e morte!


A MINHA OPINIÃO:


A Fúria dos Reis é mais um livro das Crónicas de Gelo e Fogo de George R.R Martin. É mais uma história fabulosa, que não deixa quem o lê, indiferente! Reis batalham por tronos, justiça, vingança, poder, despeito e pela glória. Westeros está debaixo da espada, do Gelo e do manto da subtileza, da astúcia e da ambição. E do Leste, promete chegar em breve, o Fogo e do Norte, para lá da Muralha, os Outros. Mais uma vez, Martin constrói personagens completas, não há tonalidades brancas ou pretas, há, sim, uma coloração acinzentada, ou seja, todos lutam pelo que acham ser o melhor para si e para as suas pretensões. Uns são fiéis aos seus princípios morais, outros são felizes em encontrar desvios na sua moralidade! É um volume mais brando que os anteriores, com menos acção. Há mais esquemas, estratégias e conversas mas, não me interpretem mal, eu não me estou queixar. Foi a oportunidade perfeita para conhecer melhor alguns dos intervenientes e, procurar pistas para descortinar os segredos de outros. E nisto, George R.R. Martin é mestre! Genialmente, cria capítulos empolgantes dedicados a uma personagem contudo, nunca deixamos de estar a par da história geral. E como se fosse insuficiente ter tudo isto num livro, o autor acrescenta novos elementos: um fino nevoeiro mágico começa a surgir e, no horizonte, brotam novas figuras que só enriquecerão a trama. As minhas preferidas continuam a ser os herdeiros e as herdeiras da Casa Stark: Bran, que luta contra a sua deficiência aspirando ao título de cavaleiro todavia, parece-me a mim, que o futuro lhe reserva outros caminhos completamente distintos do que aqueles que ele imaginava; Arya, pela sua coragem e tenacidade face às adversidades; Sansa, por enfrentar os seus problemas com uma dignidade e bravura diferentes da irmã; Jon Snow, porque engrandece à medida que o tempo passa, buscando a glória e a honra nos lugares mais insólitos; Robb, está muito distante neste volume, esperava um pouco mais e, Rickon é tão pequenino e selvagem que, não sei bem o que pensar. Catelyn Stark também me impressionou embora, continue a não ser das minhas personagens favoritas. Daenerys Targaryen, já não é a menina assustada e temerosa. Assim como os seus dragões, ela cresce e cimenta o seu lugar como uma das personagens favoritas. Na Casa Lannister: Cersei é uma figura intrigante e dá um novo significado à expressão "rainha má"; Joffrey é simplesmente desprezível, mimado e sanguinário; Tyrion é espectacular, só é pequeno em tamanho, as suas artimanhas são uma delícia para o leitor, um personagem fenomenal. Theon Greyjoy e Asha também se revelaram cativantes e aguardo mais picardias e uma maior evolução no futuro. Não posso deixar de referenciar a entrada de Brienne de Tarth, mulher que triunfa no campo dos homens e que põe, acima de tudo, a sua lealdade. George R.R Martin maravilha e não desilude, pelo contrário, aguça o apetite para os volumes seguintes. Mostra o lado mais negro da suas criações e recorre ao inesperado para envolver o leitor na sua trama. O final deste livro é de espantar! Fiquei boquiaberta! Julguei que já estava minimamente preparada para as surpresas e reviravoltas de Martin mas, enganei-me redondamente!A sua imprevisibilidade faz-me gostar ainda mais destas Crónicas... perco-me na sua imensidão e, quando caio em mim, já vou no fim do capítulo ansiando por mais... Mais uma obra brilhante de fantasia que corresponde só à primeira parte do volume original... Excusado será dizer que eu já vou a meio da segunda parte, O Despertar da Magia:)... As Crónicas de Gelo e Fogo são cada vez mais viciantes e irresistíveis!!!
6/7- EXCELENTE
TEASER DA SÉRIE:
A série estreará em Abril e consta que o próprio George R.R Martin escreveu o argumento de alguns episódios. Podem encontrar mais informação nos seguintes blogs:
Game of Thrones Portugal ( blog português dedicado à série que está excelente)
video

domingo, 2 de janeiro de 2011

Uma Luz na Escuridão de Catherine Anderson



Poucos autores escrevem histórias comoventes e de inesgotável ternura como Catherine Andersen.As suas personagens partilham com o leitor a esperança de encontrar o amor perfeito de uma vida inteira.No intuito de por a salvo a sua vida e a do seu bebé, das mãos de um padrasto violento Maggie Stanley, arrisca tudo numa fuga desesperada passando de um perigo para outro ainda maior. Desde a trágica morte da mulher e dos filhos, Rafe tornou-se num pobre vagabundo que lentamente afoga as suas mágoas no álcool. Assim que conhece Maggie, Rafe pressente que vão envolver-se em problemas.

E quando Maggie é subitamente atacada por um grupo de vagabundos, Rafe, por compaixão, decide salvar a jovem mãe e o seu filho. Maggie está simultaneamente grata e preocupada com o seu novo protector. Na extrema solidão, na fase mais sombria que jamais viveu, a compaixão de um desconhecido, muito atraente mas pobre como ela, surge como uma luz na escuridão e proporciona-lhe o conforto e o carinho que sempre desejou e nunca teve. Rafe é bem mais do que aquilo que parece. É um homem enigmático e secreto, que poderia dar a Maggie o céu e a terra, não fora a circunstância de ter jurado a si próprio viver sozinho o resto da sua vida.Para sua surpresa, também Rafe descobre que pela primeira vez, desde há muito tempo, alguém necessita da sua ajuda e está determinado em não os desapontar. É que às vezes o amor surge sem aviso prévio e transforma o mundo mais frio e desapiedado num verdadeiro paraíso. E um homem a quem quase tudo foi roubado, uma mulher que perdeu até mesmo a capacidade de sonhar, e a criança desprotegida que de ambos necessita, podem tornar-se a mais improvável e a mais fabulosa das criações: uma família.

A MINHA OPINIÃO:

Às vezes, entre leituras mais pesadas apetece-me desanuviar um pouco e mergulhar num bom romance, daqueles previsíveis e com um final feliz. E para estas leituras, tenho algumas escritoras de eleição e uma delas é, indubitavelmente, Catherine Anderson. Esta autora tem a extraordinária capacidade de tornar as personagens arrebatadoras logo nas primeiras páginas. Apesar da simplicidade da escrita, é fácil constatar a intensidade das emoções de Maggie e Rafe, os protagonistas. Rafe é um homem que faz suspirar qualquer mulher, ou não fosse ele, um Kendrick! Ainda não me esqueci do outro elemento desta família,o Ryan, irmão de Rafe, do Amor à Primeira Vista. Os Kendrick tem algo de fascinante, um cavalheirismo que já não existe e, Rafe não é excepção. Maggie é adorável, inspira compaixão e respeito. Compadeci-me da sua história trágica e respeitei a sua coragem. Jamie é o bébé recém-nascido de Maggie que será o elo entre estas duas almas perdidas. É uma história linear sem espaços para grandes surpresas porém, é belíssima! É a história de um casal que, atormentado pelo passado, procura viver o presente lidando com os obstáculos do futuro. Foi uma leitura perfeita efectuada no melhor momento possível...

5/7- MUITO BOM

Booktrailer " Crónicas Obscuras- A Vingança do Lobo de Vítor Frazão

video

O Homem do Castelo Alto de Philip K. Dick



Estamos em 1962. A Segunda Guerra Mundial terminou há dezassete anos e a população já teve tempo de se adaptar à nova ordem mundial. Mas não tem sido fácil: o Mediterrâneo foi drenado, a população de África foi eliminada e os Estados Unidos da América divididos entre nazis e japoneses.
Na zona neutra que divide as duas superpotências vive o homem do castelo alto, autor de um bestseller de culto, uma obra de ficção que oferece uma teoria alternativa da história mundial em que o Eixo perdeu a guerra. O romance é um grito de revolta para todos aqueles que sonham derrubar os invasores. Mas poderá ser mais do que isso?
Subtil e complexo, O Homem do Castelo Alto permanece como o melhor romance de história alternativa jamais escrito.

Este livro foi traduzido por David Soares e é precedido de um ensaio de Nuno Rogeiro sobre a vida e a obra do autor.


A MINHA OPINIÃO:

O Homem do Castelo Alto é a primeira leitura a ser terminada em 2011! E que leitura!!! Contagiante, viciante e muito bizarra! Uma alternativa à realidade sublime e compulsiva em que o mais pequeno pormenor é relevante e, não deve ser descurado pelo leitor, porque por mais insignificante que pareça, poderá fazer a diferença. A acção desenrola-se nos Estados Unidos da América. Nesta realidade, o país do Tio Sam perdeu 2ª Guerra Mundial e foi forçado a submeter-se à nova ordem imposta pelos alemães e japoneses. Foi dividido em duas partes: o leste foi ocupado pelos alemães e o oeste pelos nipónicos. Um regime militar opressivo foi instaurado, África foi aniquilada e o Mediterrâneo foi drenado. Alemanha e Japão vivem em clima de Guerra Fria. Os dois países rivalizam mantendo uma aparente cordialidade. A tecnologia evoluiu rapidamente de modo quase inimaginável. A comunidade judaica é perseguida implacavelmente, o que os leva a "desaparecer" da sociedade através da ocultação forçada dos seus sinais religiosos, dos nomes e até características faciais. É neste panorama avassalador que seguimos as belas e complexas personagens de Philip K.Dick. Tagomi, Robert Childan, Frank Fink,Baynes e Juliana são cativantes por lidarem com duas hierarquias muito distintas: a japonesa e a alemã. A oriental com a sua ordem social rígida e a europeia com a sua política extremista, ou seja, aquele que não servir os interesses do Führer, é eliminado. Existe outro elemento que aumenta ainda mais curiosidade e a estranheza do leitor: um livro chamado O Gafanhoto será um Fardo censurado pelo regime. Todos os que lêem ficam intrigados pela sua excentricidade. Escrito por um homem que vive num "castelo" de máxima segurança apresenta a outra opção. E se os ingleses e aliados tivessem ganho a guerra? O que teria acontecido? Philip K. Dick é magistral na sua escrita, na sua imaginação e a interligar personagens tão diferentes! Um livro genial que conta ainda com um ensaio fabuloso de Nuno Rogeiro sobre autor e sobre a obra!

7/7- OBRA-PRIMA

PS:Obrigada Segredo dos Livros!