terça-feira, 24 de abril de 2012

As Memórias de Cleópatra- A Filha de Ísis de Margaret George

A autora do best-seller mundial "A Paixão de Maria Madalena" está de volta com um convite irrecusável: a visita ao Antigo Egipto e à vida de Cleópatra, a rainha do Nilo. 

Escritas na primeira pessoa, As Memórias de Cleópatra começam com as suas recordações de infância e vão até ao seu glorioso reinado, quando o Egipto se torna num dos mais deslumbrantes reinos da Antiguidade. As Memórias de Cleópatra são uma saga fascinante sobre ambição, traição e poder, mas também são uma história de paixão. Depois de ser exilada, a jovem Cleópatra procura a ajuda de Júlio César, o homem mais poderoso do mundo. E mesmo depois do assassinato daquele que se tornou o seu marido, e da morte do segundo homem que amou, Marco António, Cleópatra continua a lutar, preferindo matar-se a deixar que a humilhem numa parada pelas ruas de Roma. Na riqueza e autenticidade das personagens, cenários e acção, As Memórias de Cleópatra são um triunfo da ficção. Misturando História, lenda e a sua prodigiosa imaginação, Margaret George dá-nos a conhecer uma vida e uma heroína tão magníficas que viverão para sempre.

A MINHA OPINIÃO:

O Egipto é um país riquíssimo em segredos, mistérios e história. Não me recordo quando começou a minha paixão pela civilização egípcia mas, as pirâmides, a esfinge, Luxor e o rio Nilo sempre me intrigaram. A dinastia ptolemaica é, no entanto, a que menos me fascina. A sucessão de Ptolomeus e Cleópatras nunca me atraíram muito. Mas eis chega a Cleópatra das Cleópatras! Como é que uma mulher manteve César longe do Egipto? Foi com esta premissa que me lancei nesta leitura, mesmo sabendo que este livro não é propriamente, um relato fiel e histórico. Deparei-me com uma agradável surpresa! Margaret George tem descrições incrivelmente belas que são tesouros e catapultas para a imaginação do leitor. As ruas de Alexandria, os cheiros, o calor abrasador do deserto e a exuberante paleta de cores dos Triunfos romanos que ela nos presenteia são tão tangíveis que me deixaram extasiada. A perplexidade de César face à Esfinge e às pirâmides foi igual à minha ao constatar o quão detalhada Margaret George consegue ser e, em instante algum me senti exaurida. Muitos dos acontecimentos históricos narrados são sobejamente conhecidos: a morte de Pompeu e o primeiro encontro entre Júlio César e Cleópatra contudo, a escritora impõe ritmo e personalidade a personagens tão famosos quanto Marco António e Octávio. A escritora brinda-nos através do olhar de Cleópatra com Alexandria e Roma revestidas de majestade e esplendor. A mentalidade egípcia contrasta com a romana neste belíssimo livro! Porém, ter Cleópatra como narradora pode também ser tendencioso. Para autora significa que ela tem de estar em todos lugares e momentos, o que torna o final muito romanceado. Ver tudo na perspectiva da rainha egípcia é algo subliminar e quase que desejei a opinião de uma outra personagem. Ainda assim, A Filha de Ísis é uma leitura absorvente e uma viagem ímpar à época em que o império romano se erguia e o egípcio, orgulhoso do passado, definhava! Este livro é o primeiro de três volumes pelo que, ainda há muito a história a contar...

5**/7- MUITO BOM**

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Sebastian de Anne Bishop

Anne Bishop está de volta com um novo mundo de fantasia e personagens fascinantes. Bem-vindos a Efémera... 
Bem-vindos a Efémera, onde a terra se altera em resposta aos mais profundos desejos e medos dos seus habitantes. Há muito tempo, Efémera foi dividida em inúmeras paisagens mágicas ligadas somente por pontes. Pontes que podem levar quem as atravessa para onde realmente pertence e não ao local onde pretende chegar. Numa dessas paisagens habitada por demónios e onde a noite impera, o meio-íncubo Sebastian delicia-se em prazeres obscuros. Contudo, aguarda-o um destino devastador. Uma aprendiza descuidada libertou um mal antigo que agora se agita - e o reino de Sebastian poderá ser o primeiro a sucumbir... Mas em sonhos, ela chama por ele: uma mulher que não deseja mais do que ser amada e sentir-se protegida - uma mulher pela qual ele anseia mas que sabe poder vir a destruí-la. Ela é Lynnea, e o seu improvável romance está no centro da batalha que se trava entre a luz e as trevas.

A MINHA OPINIÃO:

Sebastian é a minha estreia em Anne Bishop. É uma autora consagrada e conceituada do género fantástico pelo que, sempre tive alguma curiosidade em ler as suas páginas. A sua imaginação e originalidade é realmente inquestionável. O Mundo Efémera é tão estranho quanto cabal. Este mundo é muito improvável contudo, as descrições e a própria escrita de Bishop são habilidosas e conferem-lhe realismo e verosimilhança. Dentro de Efémera, existem várias Paisagens ligadas por pontes que respondem aos desejos do coração.  As Paisagistas são responsáveis por estes pequenos mundos e nenhuma é tão talentosa como Glorianna Belladona. Sebastian, personagem titular do livro é primo desta misteriosa mulher. Meio-demónio, ele resignou-se com a sua vida até ao dia em que percebe que a sua alma é incompleta. Apesar de Sebastian ser relativamente cativante devido à sua infância problemática e aos duelos que trava entre o que fazer e o que ser, Belladona é muito mais acirrante!  O seu grande dom é também a sua grande maldição! Glorianna é a única capaz de destruir o Ente ou o Devorador do Mundo. Este é mais uma personagem obscura de Bishop. Alimenta-se das fragilidades e dos conflitos e floresce sob o medo e o terror. O Ente poderia fazer ruir a grande história de Anne Bishop. Se não fosse tão bem construído como é, a sua presença seria obsoleta. Todavia, é tão horripilante que mesmo não estando presente, a sua ameaça é convincente. A escritora tem mérito e mestria porém, não me deslumbrou. Algumas personagens como Lynnea são pobres. Com o adjectivo pobres não quero de maneira nenhuma igualá-las a más! Simplesmente, achei-as pequenas comparativamente a Glorianna, ao Sebastian ou mesmo ao hilariante Provocador, amigo do protagonista. Lynnea pareceu-me demasiado idealista, utópica e sem chama. O livro também beneficiaria de um mapa para o leitor se orientar melhor em tantas Paisagens.
Sebastian pode não ser soberbo mas, é uma leitura singular cheia de sensualidade, humor e magia.

4.5/5-MUITO BOM

domingo, 1 de abril de 2012

A Guerra dos Tronos regressa hoje...

video

Agarrem-se às cadeiras, aos sofás ( ou às cabeças!)! Nada é garantido, ao não ser o vício de domingo à noite. Estreia hoje na HBO.